Release lançamento Imaculada Concepção


Ficção científica sobre refugiados do futuro ajuda refugiados no Brasil do presente

Na semana do Dia Mundial do Refugiado, todo o lucro da venda do ebook “Imaculada Concepção” na amazon.com.br será revertido para instituição que auxilia refugiados reais em cidades como São Paulo e Curitiba.

Sao Paulo, 20 de junho de 2016 – O escritor e jornalista Guilherme Solari está lançando na amazon.com.br o seu livro Imaculada Concepção, ebook independente ambientado em um futuro no qual o hemisfério norte foi destruído por uma guerra nuclear. Milhões de refugiados americanos e europeus fogem então para a megalópole de Megasampa, a expansão urbana formada pelas áreas combinadas de São Paulo e Rio de Janeiro no Brasil do século 22.

Em homenagem ao Dia Mundial do Refugiado, todo o lucro da primeira semana do lançamento do livro será doado para o Adus, o Instituto de Reintegração do Refugiado, entidade que atende expatriados que vem ao Brasil originários da África, Caribe, Oriente Médio e outras localidades. O livro está disponível pelo preço de R$ 10 reais em amazon.com.br/Imaculada-Concep%C3%A7%C3%A3o-Cybersampa-Livro-1-ebook/dp/B01H4JCMTQ.

“Eu acredito que mais do que tentar prever o futuro, a ficção científica pode ser usada para tentarmos evitar o futuro,” define Solari. “O discurso do medo, preconceito e xenofobia contra refugiados está muito forte hoje em dia. E os refugiados são pessoas que já sofreram muito, fugindo de guerras e desastres naturais, muitas indo para a cidade de São Paulo, onde moro. Eu quis tentar expor como essa xenofobia faz pouco sentido invertendo os papéis e tornando os ricos de hoje os refugiados de amanhã. E, ao mesmo tempo, escrever um história divertida, de influência pulp, noir e cyberpunk.”

Em Imaculada Concepção, primeira obra da série Cybersampa do autor, uma onda de assassinatos inexplicáveis no gueto do Novo Bronx leva medo à comunidade de estrangeiros. As mortes são atribuídas pelos populares a uma criatura chamada Bebê Diabo, e as autoridades precisam implementar lei marcial para conter os protestos da população. Relutantemente, eles chamam da aposentadoria um homem chamado Cascavel, o único detetive louco o bastante para resolver um caso insano.

A série Cybersampa acontece cem anos no futuro, em uma realidade possível de mudanças climáticas desastrosas, radiação e incidência de câncer constante, superpopulação, misticismo, conglomerados corporativos inescrupulosos, redes sociais onipresentes, renascimento de tradições indígenas, governo privatizado e fundamentalismo religioso. “O que mais me atrai no gênero cyberpunk é como ele é ao mesmo tempo um olhar para o futuro e para problemas sociais que já temos faz centenas de anos,” diz Solari.

Imaculada Concepção, e os demais livros da série Cybersampa, têm capas inspiradas em quadrinhos feita pelo artista Bruno Dineli. O trailer do livro pode ser visto em youtube.com/watch?v=yyDg5mTBTDc.

Contatos:
Site: guilhermesolari.com.br.
Facebook: facebook.com/guilherme.solari
Email: guilherme.solari@gmail.com
Site Adus: adus.org.br

Sobre o autor – Guilherme Solari é um jornalista e escritor de São Paulo. Ele atualmente escreve sobre cinema, literatura, games e cultura pop no site Catraca Livre, e tem passagens por veículos como UOL e Folha de S.Paulo. Ele é autor de “As Crônicas do Cascavel” (Multifoco), uma carta de amor a filmes antigos de ação. Ele é coautor da peça “Fogo”, que foi dirigida por Marina Person e encenada no circuito Sesc em 2010. Sua história “Egofobia” foi editada na versão portuguesa de “O Almanaque do Dr. Thackery T. Lambshead de Doenças Excêntricas e Desacreditadas”, junto de autores como Neil Gaiman, China Miéville e Alan Moore. Ele faz resenhas literárias em seu canal youtube.com/GuilhermeSolariTube.

Sobre o Adus – Fundado em 2010 por três internacionalistas e pesquisadores do tema do refúgio, o Adus – Instituto de Reintegração do Refugiado – nasceu com o objetivo de atuar em parceria com solicitantes de refúgio, refugiados e pessoas em situação análoga ao refúgio para sua reintegração à sociedade, buscando sua valorização e inserção social, econômica e cultural. Por meio de suas ações, o instituto visa superar os obstáculos para a reintegração dos refugiados, ajudando-os a garantir autonomia e as ferramentas necessárias para que possam buscar sua própria inserção na sociedade. Para tanto, o Adus disponibiliza aulas de português, realiza cursos de qualificação profissional, auxilia na inserção no mercado laboral, promove ações culturais, oferece suporte psicológico e elabora campanhas de conscientização, entre outras atividades.