George Archibald, o ornitólogo que cortejou uma ave por três anos para salvar sua espécie

2006-8-27-george-and-gee1-1024x706

Às vezes o legado que um cientista deixa para a humanidade não depende de saltos quânticos de conhecimento, mas de uma paciência monástica para fazer o que mais ninguém está disposto a fazer. Como o ornitólogo George Archibald, para mim um cientista louco no melhor dos sentidos, que por três anos cortejou uma grou-americana chamada Tex para que ela pusesse ovos. Atribui-se a ele o salvamento da espécie que estava à beira da extinção.

george_archibaldEm 1976 Tex era a única grou-americana do zoológico de San Antonio e uma das únicas 100 aves de sua espécie em todo o mundo. Pesquisadores da International Crane Foundation – fundada por Archibald – consideraram que Tex seria importante para aumentar a variedade genética e a população da espécie, dado que ela foi fruto de uma união rara de pais.

O único probleminha é que Tex achava que era gente.

O antigo diretor do zoológico tirou Tex de seus pais e a criou na sala de sua casa. O contato próximo com seres humanos fez com que ela não lidasse mais muito bem com membros da sua própria espécie, mas formasse vínculos com pessoas. Porque para reproduzir grous-americanos não basta abrir uma conta de Tinder aviário para eles. São animais que cruzam tarde em seu desenvolvimento e apenas se encontram o parceiro certo.

Eles também têm um complexo ritual de acasalamento que parece uma dança. Quando está na hora do sexo literalmente animal eles marcham, batem os pés e mexem suas penas para ostentar a plumagem. Se o charme cola no outro grou ele copia os movimentos e daí… love is in the air.

O cortejo de Tex e Archibald começou com o ornitólogo dormindo no celeiro dela por um mês. Depois de certo tempo ele começou a dançar… e Tex estava curtindo. Archibald dava pulinhos, batia suas “asas” e fazia todo tipo de estripulia que um grou faria quando cortejava. Em determinado momento, Tex ficava doidinha e sinalizava que estava pronta para o cruzamento. Aí entravam em cena os dois ajudantes de Archibald que estavam perto na surdina, que chegavam e inseminavam Tex enquanto George acariciava as suas costas.

George-W-Archibald3Resumindo: O ser humano George Archibald fingia que era um pássaro para seduzir o pássaro Tex que achava que era um ser humano.

Salvar os ovos de Tex foi outro desafio. Eles não tinham material genético muito bom disponível devido à população pequena e muitos nasciam inférteis. No ano seguinte o pintinho morreu pouco após sair do ovo.

Apenas em 1982 um ovo fértil nasceu, mas ele tinha falhas e desidratava facilmente. Os pesquisadores precisaram usar um arriscado método de colocar o frágil ovo em água gelada e de volta para a incubadora. Deu certo, o filho de Tex, Gee Whiz, nasceu, mas era fraco e precisou ser alimentado com sondas, perigoso devido à delicadeza de seu esôfago. Mas sobreviveu.

George Archibald se tornou uma sensação após a inseminação bem-sucedida e foi chamado para participar do programa de auditório Johnny Carson, com audiência de nada menos que 22 milhões de pessoas. Infelizmente, pouco antes de entrar no ar ele recebeu a notícia que o celeiro de Tex fora invadido por guaxinins e ela havia sido morta. Havia 140 aves no centro, e apenas ela foi atacada.

O ornitólogo ainda trabalha em prol dos grous americanos e a International Crane Foundation também está na ativa até hoje. Em 2012 ele comemorou os 30 anos de Gee Whiz, filho “dele” e Tex que se tornou um dos principais doadores de sêmen para projetos para salvar a espécie, que levaram a um grande aumento na população dos grous-americanos, muitos que foram soltos e vivem em liberdade.

George Archibald diz que considera os descendentes de Tex e “dele” que vivem em liberdade como os seus netos. Um mundo louco precisa de mais cientistas loucos como ele.